quarta-feira, setembro 22, 2021

O outono








O outono insinou-se e chegou de mansinho,

sem fazer ruído, silencioso...

Mal o pressenti, apenas uma folha caída

despertou em mim a nostalgia da estação

dos cachos e das folhas douradas,

da sede que existe em mim e da qual não sei o nome.

As flores emudeceram, algumas murcharam

outras perderam a cor.

As horas encurtam os dias e o pensamento divaga

pelo silêncio da tarde, que se debruça no entardecer.

O sol-posto já se desenha no horizonte,

as minhas mãos, vazias, esperam o alvorecer.


Texto e foto
Ailime
21.09.2021

15 comentários:

  1. Ao ler o teu excelente poema sobre o outono que ganha tons de mel posso dizer-te que por dentro da febre nasce sempre uma fonte para que a passagem dos dias e dos pássaros sacie a tua sede e preserve a fragilidade das palavras. Tão belo, minha querida Ailime.
    Protege-te bem.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Entramos numa estação do ano que eu gosto bastante.
    Gostei do poema bem como da fotografia.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  3. Ainda não o senti, mas noto que anda perto.

    Parabéns pelo sentido e belo poema. Beijinhos
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  4. Que lindo,Ailime! Feliz OUTONO! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde outonal, querida amiga Ailime!
    As flores emudeceram, algumas murcharam
    outras perderam a cor...

    Não fora o verso acima uma verdade, o Outono eu amo em toda dimensão de sua beleza em cores, sobretudo aí do lado de lá do Atlântico.
    Feliz e abençoado Outono de aconchego, amiga!
    Beijinhos com carinho de gratidão

    ResponderEliminar
  6. Homenagem poética lindíssima feita à chegada do Outono. Gostei muito.
    .
    Saudação poética
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  7. O Outono chegou quente mas ventoso. Vem aí chuva!
    .
    Sinto o outono em meu redor
    .
    Beijo, e uma excelente tarde...

    ResponderEliminar
  8. Olá, Ailime!
    Lindíssimo poema, de homenagem ao Outono que agora chega.
    Parabéns!

    Continuação de ótima semana!
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Olá, Ailime, despede-se o verão, o calor dá lugar ao clima ameno, as flores vivas do verão dão lugar às folhas secas caídas no chão, amareladas. Gostei muito de ler seu poema, minha amiga poeta.
    Um bom final de semana, com saúde e paz.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Sempre um prazer ler tanta inspiração. Este poema transmite calma e paz, os dias curtos convidam às divagações do pensamento, reflexão. Que possamos aceitar o Outono dos nossos dias e da nossa vida com paz de espírito. E sentirmo-nos gratos por vivermos o passar do tempo, e nos deixarmos encantar pelas folhas caídas. Beijinhos!

    ResponderEliminar
  11. Eu nem dei por ele a chegar...
    Gostei imenso do poema, é excelente.
    Bom fim de semana, amiga Ailime.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Olá, Ailime!
    Passando por aqui, relendo este lindo poema que muito apreciei, e desejar um feliz fim de semana, com muita saúde.
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  13. Estamos no outono e eu nem dei conta do verão a passar!
    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  14. Belíssimo poema, Ailime! É bem como chega o outono: devagarinho, trazendo a nostalgia que a gente só percebe nas primeiras folhas caídas; é bem assim, também, que chega a saudade. Meu abraço, amiga; boa semana!

    ResponderEliminar
  15. É tão lindo ter olhos para ver este debruçar do dia sobre a tarde, como sentir a queda da folha já sem vida, mas que sabemos é um processo do reviver em nova estação.
    Um canto de encanto Ailime.
    Beijo e paz no coração.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.