quarta-feira, setembro 18, 2019

Nos olhos da noite também há luz.



Nos olhos da noite
sentia o silêncio mudo
que te escavava no rosto
a angústia, que te dilacerava
no peito a ausência da luz.

Dias tortuosos, sombras
que te trespassavam o olhar
pálido como paredes brancas
onde o luar se queda
em noite de quarto crescente.

Mas nem sempre o inverno
obscurece os mares que navegas.
Timidamente uma vigia abriu-se
e de rompante dissiparam-se as trevas.
A luz reacendeu-te no olhar, a vida
que na praia te aguardava a sorrir.

É que nos olhos da noite também há luz.



Texto e foto
Ailime
13.09.2016
(Reedição revista)

quinta-feira, setembro 05, 2019

Nas asas do silêncio



Nas asas do silêncio,
na meditação,
com que sulcas os teus passos
tão leves como asas de borboletas
pé ante pé
elevaste-te
com simplicidade e humildade
aos olhos de Deus.


Texto
Ailime
A Tolentino de Mendonça
05.09.2019
Imagem Google


segunda-feira, agosto 26, 2019

Não posso calar mais a voz

Correspondendo ao desafio proposto por Marta Vinhais no seu Blogue Com Amor, aceitei sendo que as condições são as seguintes:

«REGRAS:
1 - Poema ou prosa
2 - A ser publicado no vosso blog
3 - Tema a vosso gosto
4 - Obrigatoriamente terá que ter uma destas palavras: lenda, brisa e voz»

Escolhi a palavra voz


Não posso calar mais a voz
que sucumbe lentamente
como se o outono me emudecesse
a alma, que almeja por liberdade

Ecos longínquos assolam-me
como ventos em desalinho
soltos pelas amarras
das tempestades no mar

Pássaros esvoaçam em alvoroço
réstias de luz relampejam nos barcos
o meu olhar detém-se no leme

Na vastidão do horizonte
a minha voz solta-se
no abrigo do silêncio.



Texto
Ailime
26.08.2019
Imagem Google

quarta-feira, agosto 14, 2019

Retenho as palavras


Retenho as palavras com o olhar
e desfio-as como finos fios de seda
a resvalar dos casulos
protegidos pelas teias
do orvalho da noite.
Resguardo-as em silêncio
como se não me pertencessem.
Não quero que os rumores sombrios
as maculem na transparência da luz.

 2016-10-01
 Ailime
Imagem Google
(Redição)

sexta-feira, agosto 02, 2019

Meninas de minha mãe




Sabiam a amoras silvestres os nossos lábios
sempre que pela frescura das manhãs
descíamos saltitando de mãos dadas
por caminhos debruados de flores e rio.

Uma rã coaxava…
Um sapo de olhos grandes e salientes
vinha em nossa direção
Que horror! E eu inerte caía no chão.

Pardais, vespas e besouros
em estranha sinfonia
esvoaçavam atrevidos
cativando a nossa alegria.

..............................................

Longínquos esses caminhos
bordados de sol e inocência
de flores e muitas fragrâncias
tesouros que guardo em silêncio.


Texto
Ailime
02.08.2019
(Imagem
Pinterest)




sexta-feira, julho 19, 2019

O teu sorriso


Gosto do teu sorriso
quando o barco te aporta
ao início da madrugada
na praia incendiada por pássaros
no rebentar das marés.

Pé ante pé persigo a luz
que desponta suave,
quase inocente
nos gestos das águas
que te aspergem o dia.

Um rasto de corais
move-se contra o vento
que sopra a manhã
que te abraça
com faíscas imperceptíveis.

Texto
Ailime
19.07.2019
Imagem Google

terça-feira, julho 02, 2019

Rasgo o tempo com os sentidos


Rasgo o tempo com os sentidos
e caminho suavemente sobre as marés
como se as águas me impelissem
a abraçar-te
enquanto os búzios entoam 
a canção do mar
que nos recorda
que as medusas vêm à tona
sempre que dançamos
sobre a proa do barco
enquanto um pássaro
desenha no firmamento
um bailado só para nós.


Texto
Ailime
02.07.2019
Imagem Google


quarta-feira, junho 19, 2019

A vida não é reta nem plana


A vida não é reta nem plana 
tantas vezes curva e oblíqua 
aos ziguezagues 
que me gravam na pele 
as sombras agrestes 
e desalinhadas 
pelos ventos vulneráveis 
de densa escuridão

Nas águas brandas do rio 
uma linha de fogo 
asperge de esperança 
a alma inquieta e sedenta

No meu olhar, sustenho a claridade. 


Texto 
 Ailime 
19.06.2019 
Imagem Google

sábado, junho 01, 2019

Levanto-me e desprendo-me da noite


Levanto-me e desprendo-me da noite 
mas não sei se já é madrugada 
Atrás de mim a inocência 
dos passos que dou devagar 
O meu olhar abre a janela 
A lua, quarto minguante, sorri 
Por vezes tropeço nas estrelas 
e estendo-lhes as mãos 
os braços ...
O vazio no meu colo. 
Uma estrela cadente 
sopra-me no olhar 
uma ténue claridade. 



Texto
Ailime
01.06.2019
Imagem Google

terça-feira, maio 21, 2019

Vão longos os dias



Vão longos os dias e o pôr do sol alarga-se 
naquele horizonte matizado de púrpura 
em que fitamos o olhar nublado de silêncio 
com os pássaros a esvoaçarem, testemunhas 
de um tempo que nos desconcerta. 

Passeamos sós de mãos dadas 
como se hoje fosse ontem no teu olhar 
as manhãs são mais claras, mais límpidas 
quando pisamos chãos improváveis 
mesmo que as sombras nos tinjam a noite. 

Talvez que, furtivamente, ainda enxerguemos o mundo 
embriagados pela luz que emana do inverno. 


 Texto
Ailime
21.05.2019 
Imagem Google




quarta-feira, maio 08, 2019

Nos degraus da casa


Nos degraus da casa 
em escombros 
ouço-te em cada passo 
como se o passado 
se detivesse nas paredes 
caiadas de cinza
onde as andorinhas 
ainda fazem os ninhos. 

À noite os pirilampos 
cintilavam como estrelas 
a bordejar os caminhos 
desfazendo as trevas 
os fantasmas 
as sombras  
que te sobrevoavam  
na escuridão  
que preenchia o silêncio 
ainda mais espesso que a noite. 

Na fugacidade do tempo 
ainda hoje não sei distinguir a luz 
da escuridão. 


Ailime
08.05.2019
Imagem Google