sábado, abril 13, 2024

No silêncio do meu canto



No silêncio do meu canto 
idealizo dias claros e noites brancas.
Um candeeiro antigo
sem chama, permanece enegrecido
sobre a mesa, que se deixou abater
no quarto sem chão. 
A lua cheia penetra no velho quarto
exalando um clarão
que ilumina os tesouros antigos,
como uma arca de pinho,
com a velha coberta desfeita.
Em silêncio tudo perscruto.
A solidão e a noite de mãos dadas.
No silêncio do meu canto
o dia claro já não brilha,
a noite é como breu.
A lua perdeu-se no espaço.


Texto
Emília Simões
13.04.2024

Imagem FREEP!K


sábado, abril 06, 2024

Quem escreve, lê e ouve os poemas?



Quem escreve, lê e ouve os poemas?

O mundo anda muito distraído.

Os ruídos são ensurdecedores.

Mas o mar esboça na areia com a sua maresia

rendilhados de espuma branca.

As gaivotas leem nas migalhas, ao final da tarde,

o sabor do seu sustento.

Nas escarpas homens e mulheres sós

com o sal a escorrer pelas faces

estão atentos aos sons do mar,

sob o efeito das marés.

Talvez um poeta que tenha passado por ali

tentasse passar a sua mensagem

no purpúreo entardecer.

__Mas, ninguém o escutou__


Texto
Emília Simões
06.04.2024
Imagem Google



sábado, março 30, 2024

O pasmo diante da candura das pétalas


O pasmo, diante da candura das pétalas.

O inseto suga-te o néctar.
Debaixo das asas, o chão
que os meus pés pisam
vagarosamente.

Naquela folha o desdém 
de quem não entende
o respirar dos pássaros
na construção dos ninhos.

Subo a escarpa e observo o horizonte.

Uma nuvem esconde o sol
e o dilúvio, de novo,
tomba sobre as folhas.

A luz reacende o entardecer
com a rapidez dum relâmpago.


Texto e foto
Emília Simões
30.03.2024

Desejo a todos os meus amigos e famílias uma santa e Feliz Pascoa!

segunda-feira, março 25, 2024

Um Mês Pelo Dia Mundial da Poesia (4ª semana)

Publico hoje a minha quarta participação relativa ao Desafio da nossa Amiga Rosélia, proposto no seu Blogue Escritos d'Alma, para celebrarmos o Dia Mundial da Poesia, durante um mês.


Nos mistérios insondáveis do meu ser
guardo-te como um tesouro
embutido no mais profundo de mim.
Respiro as flores com que enfeitavas 
os meus cabelos.
___Ainda hoje lhes sinto os aromas ___

Foram cativantes as primaveras de então,
que me acenavam como sóis a bailar
nas intermitências do tempo a florir.

Os pássaros voavam em nosso redor
entoando melodias maviosas,
como sinfonias perpetradas por
orquestras, com aroma de jasmim.

A natureza sempre em festa sorria-me
e eu fazia raminhos de flores minúsculas
que te oferecia quando, embora cansada,
me embalavas nos braços
como se fosse o teu mundo.

Recolhíamos ao ninho onde, qual casulo,
retemperavas as forças para uma nova jornada
nas searas onduladas pelo vento,
onde o trigo germinava a flor da farinha
que se transformaria no pão que nos saciava.

Hoje compreendo a grandiosidade e
beleza dos dias de então,
agora que sozinha caminho
pelas ruas descoloridas
da cidade vazia.

Texto
Emília Simões
24.03.2024

segunda-feira, março 18, 2024

Travessia Visionária (Um Mês Pelo Dia Mundial da Poesia)

Esta a minha terceira participação no Desafio de Rosélia, do Blogue Escritos da Alma,
para celebrarmos o Dia Mundial da Poesia durante um mês.


Navego nas águas serenas do lago
tendo como farol a luz do luar.
No silêncio e solidão da noite,
as minhas emoções retraem-se
sempre que o passado vem à tona.
Remo em sentido contrário
com a tua imagem gravada no peito.
Os meus pensamentos perturbam-se,
a minha voz prende-se no vazio.
Quero que voltes, mas não digas nada.
Volta, simplesmente, e sorri.
E entoa baixinho aquela sonata
que um dia compusemos os dois.

Texto
Emília Simões
18.03.2024


sábado, março 09, 2024

Em silêncio percorro o deserto



Em silêncio percorro o deserto
das ruas sinuosas, onde tantas vezes
a solidão é companheira
das almas sedentas de amor.
Tropeço numa pedra. 
Caio, levanto-me e no vazio de mim
o silêncio é cada vez maior.
Como um mendigo
não desisto do caminho.
Impele-me o vento e a fome
como se pretendesse
agarrar o universo
com as minhas mãos esquálidas,
pela míngua e pelo frio.
Falo com a noite e descortino
uma luz, numa nesga de tempo,
e acelero o passo.


Texto 
Emília Simões

09.03.2024
Imagem Google

sábado, março 02, 2024

Que a mágoa não se apodere de ti



Que a mágoa não se apodere de ti
se nos passos incompreensíveis da vida
alguns de ti diferirem.
Porque somos muito mais
que simples objetos manipuláveis,
que alguns que se julgam insignes
pretendem asfixiar.

Acredita que os caminhos da vida
podem ser como relva abundante
nos prados verdes da primavera.
Que mais à frente há uma luz que
que para todos brilha, 
mas só alguns conseguem enxergar.

Crê no mais importante
e simples do ser,
que te constrói e revigora,
sempre que deres um passo em frente
nas linhas retas da existência.

A vida é como um sopro; 
no meio de evasivas 
há todo um manancial a cativar.


Texto
Emília Simões
02.03.2024
Imagem Google



sábado, fevereiro 24, 2024

Palavras adormecidas


Palavras adormecidas

teimam em cingir-me a voz

que rouca, pelo frio do inverno,

se aninha no meu rosto gelado.

No firmamento aves esvoaçam

lado a lado com o vento

e, letras à solta, como folhas,

pousam no meu regaço

que as recolhe sofregamente.

No silêncio da tarde

talvez soletre um poema,

com as penas 

que os pássaros deixaram cair 

no ruído do seu voo.


Texto
Emília Simões
24.02.2024
Imagem Google

sábado, fevereiro 17, 2024

Nas intermitências do tempo



Nas intermitências do tempo
desbravo caminhos e, em silêncio,
colho alvoradas suspensas
nos sorrisos, com que te revelas,
em teus olhos brilhantes 
quando me fixas,
numa profusão de cores,
como se a primavera
envolvesse num abraço,
o tempo que resgatámos.
As manhãs são mais sadias,
as tardes, mais leves,
o teu amor mais firme.
Da escarpa, um pássaro voa
levando nas asas, para longe,
segredos que não deixaram rasto.

Para minha mãe

Texto 
Emília Simões
17.02.2024
Imagem Google



sábado, fevereiro 10, 2024

No silêncio das pedras



No silêncio das pedras
desponta uma flor
que me fala de primavera,
mas também de invernos
em que as nuvens choram
lágrimas de frio e geadas,
e orvalhos sobre
os meus pés cansados
e quase descalços,
a escorregar nas calçadas.
Por entre uma nesga de nuvens
alcanço um raio de sol
que me traz de volta à realidade.
A primavera não tardará
e os meus dedos, como aves feridas,
agarrarão as palavras
com sede do poema
que brota das minhas mãos,
quase em chamas.


Texto e foto
Emília Simões
10.02.2024