terça-feira, setembro 07, 2021

Nos dias avessos à luz


 

Nos dias avessos à luz 

descubro veredas por entre florestas sombrias 

que me lembram o tempo 

em que caminhavas desamparada 

como se o mundo te renegasse 

o chão, que pesadamente pisavas 

como se não houvesse relâmpagos, 

nem pássaros, nem silêncios, nem palavras  

a rasgar as manhãs, que os teus olhos guardavam. 

Das tuas mãos, em gestos simples, 

as flores desprendiam-se como asas 

que ninguém via, que ninguém ouvia. 

Apenas tu lhes conhecias a cor. 

 


Texto
Ailime 
Reedição
(2019) 
Imagem Google

16 comentários:

  1. Lindo! Há dias assim, sem luz, mas algo acontece que os faz a pena valer! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. Foto e poema lindíssimos que me fascinou ver e ler.
    .
    Saudações poéticas
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  3. Mãos de onde se desprendem flores como asas. Por isso pisava o chão como se não houvesse palavras a rasgar as manhãs. Por isso conhecia a cor das flores e o sentido dos silêncios. Lindíssimo poema e excelente fotografia!
    Cuida-te bem, minha querida Ailime.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Bom dia de paz, querida amiga Ailime!
    Quando nos falta o chão, somente ficam as flores para contemplar e aspirar seu perfume.
    Tenha dias abençoados!
    Beijinhos com carinho de gratidão

    ResponderEliminar
  5. Bonito poema emoldurado de uma linda flor. Adoro!
    .
    Escrever, é falar em silêncio
    .
    Beijos. Votos de um dia feliz.

    ResponderEliminar
  6. Belíssimos seus versos, querida!!!
    Uma inspiração sublime, que amei ler!
    Beijinhos
    Valéria

    ResponderEliminar
  7. Belíssimo poema, amiga Ailime!
    Parabéns!

    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. É um belo momento poético pois a poesia do olhar entrelaça_se nas palavras! Bj Ailime

    ResponderEliminar
  9. Um poema de excelência, gostei imenso.
    Continuação de boa semana, amiga Ailime.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Olá, Ailime!
    Passando por aqui, relendo este lindo poema que muito apreciei, e desejar um feliz fim de semana!
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Olá, Ailime!
    Passando por aqui, agradecendo a visita ao meu blogue, e desejar uma feliz semana com muita saúde.
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  12. Tocante, Ailime! Nos teus belos versos, percebe-se a sensação de solidão... temperada pela luz da esperança. Meu abraço, amiga; boa semana!

    ResponderEliminar
  13. Mesmo nos dias avessos à luz... há pequenos sóis nos nossos caminhos, mas que só cada um saberá identificar... tal como o seu poder motivacional...
    Uma adorável inspiração, Ailime! Beijinhos! Feliz semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  14. Nos dias escuros há sempre a tal LUZ que vivifica o caminho, Ele prometeu aos Seus amados. Poema muito lindo e denso como a vida é...
    Beijinhos

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.