terça-feira, abril 30, 2019

Veredas



Na singularidade da existência
movo-me por entre muros
que me asfixiam os passos
em apertadas veredas,
num rumar algo imperfeito.

Descubro sóis para além das ameias
dos muros que me cerceiam.
Aprisiono a luz filtrada pelas sombras
e deixo que a claridade me cinja
num prenúncio de transformação. 


Ailime
18.04.2012
Reedição revista
Imagem
 Google

segunda-feira, abril 22, 2019

Naquela madrugada


Naquela madrugada 
a cidade acordou antes do tempo. 
Pássaros em alvoroço 
sobrevoavam barcos 
marés cheias 
escarpas e silêncios. 

O rio, lá em baixo, a espreitar, 
azul de tanto céu. 
Estalavam foguetes 
Rostos mudos de espanto 
Clarões 
Olhares incrédulos. 

Onde estavam as sombras? 
Multidão em êxtase 
sorrisos e abraços. 
A longa noite expirara. 

Uma flor ergueu-se 
rubra como sol nascente  
no cano duma espingarda 
iluminou Abril. 


Texto
Ailime
22.04.2019
Imagem Google

segunda-feira, abril 08, 2019

Nos dias avessos à luz


Nos dias avessos à luz 
descubro veredas por entre florestas sombrias 
que me lembram o tempo 
em que caminhavas desamparado 
como se o mundo te renegasse 
o chão, que pesadamente pisavas 
como se não houvesse relâmpagos, 
nem pássaros, nem silêncios, nem palavras  
a rasgar as manhãs, que os teus olhos guardavam. 
Das tuas mãos, em gestos simples, 
as flores desprendiam-se como asas 
que ninguém via que ninguém ouvia. 
Apenas tu lhes conhecias a cor. 


Texto
Ailime 
08.04.2019 
Imagem Google