terça-feira, junho 15, 2021

Não sei medir o tempo


Não sei medir o tempo por gestos.

As andorinhas voltam na primavera,

fazem os ninhos

sempre no mesmo local

e  espanto-me com a sua precisão.

Ganham asas, voejam

e regressam de novo

não se desviando da rota.

Não sei medir  o tempo por palavras

que guardo nos silêncios

quando as manhãs acordam

para o ciclo da vida.

Não sei medir o tempo  por  sóis

que dançam nas sombras  dos abismos

e ressoam nos ecos das escarpas.

Sei medir o tempo apenas quando o relento

me fala de uma nova lucidez.


Texto
Ailime
15.06.2021
Imagem Google

20 comentários:

  1. Medir o tempo pela chegada das flores, pássaros que nascem é viver melhor. LINDO! beijos, chica

    ResponderEliminar
  2. Interessante este medir o tempo!
    Eu contabilizou com momentos que vou vivendo!!!
    Gosto do olhar e da poesia do texto! Bj

    ResponderEliminar
  3. Boa noite serena, querida amiga Ailime!
    O tempo está me medindo ultimamente.
    Também perdi o jeito de medi-lo.
    Apenas, o vivo, não mais.
    Sendo assim, dou tempo ao meu tudo.
    Tão belo o seu tempo não medido e vivido apenas por palavras. Perfeito!
    Tenha um amanhecer abençoado!
    Beijinhos fraternos de paz e bem

    ResponderEliminar
  4. Ainda que não se saiba o medir, bem o sabe orientar no sentido de que anda lhe passe ao largo. Tempo de florir e esperar a Primavera com suas imagens e cores.
    Lindo poema amiga.
    Beijo e paz.

    ResponderEliminar
  5. Recordo-me de quando miudo o meu pai conversar com um vizinho já idoso sobre o tempo. O "Ti Rafael", assim se chamava esse idoso, dizia. Amigo José Maria, o meu Pai, daqui a dois dias chove. Daqui a 8 dias faz sol, daqui a 15 dias cai trovoada, geada, e assim sucessivamente.
    A verdade é que aconteci igual ao que dizia. Antigamente ( e ainda hoje) os velhotes eram muito sábios
    .
    Cumprimentos poéticos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  6. Muito bonito poema!


    Não sei se o tempo tem tempo
    Ou se o podemos medir
    Mas o mais belo do tempo
    É o tempo que há-de vir...

    Parabéns, amiga Ailime!

    Gostei muito!

    Beijinhos, e feliz semana!

    ResponderEliminar
  7. Uau, gostei muito, Ailime, de belo poema. O tempo corre, não para, e eu o conto pelo amadurecimento dos meus atos, talvez um dia acerte.
    Uma boa semana, querida, com alegria e paz.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  8. Muito bem construído. Encontrar a lucidez dentro de nós mesmos, que afugente sombras e tristezas. Dar valor a cada dia. Só assim vale a pena contá-los. Beijos

    ResponderEliminar
  9. Muito bonito e adorei a foto.
    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  10. Inventaram o relógio, mas mesmo assim não é fácil medir o tempo...
    Magnífico poema, gostei muito.
    Belíssima foto.
    Bom resto de semana, amiga Ailime.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Lindo...lindo...lindo...seu poema, me deixou a tentar medir o tempo, mas me inundei de nostalgia ...beijinhos,
    Valéria

    ResponderEliminar
  12. Cada gesto é um pedacinho de tempo que o pensamento utiliza para transformar a vida. Por isso, Poeta, observas o que te cerca e te encanta e te surpreende para o dizeres num poema belíssimo. A fotografia é tão sugestiva. Gostei imenso. Cuida-te bem.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  13. Há sinais que nos dão conta de um novo tempo regular
    e a chegada das andorinhas é um exemplo maravilhoso.
    Poesia bela e expressiva.
    Tudo bom. Abraços
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  14. Olá, Ailime,
    Gostei muito deste teu poema com esse belo tema em que você faz uma homenagem à natureza, com as andorinhas chegando na primavera, construindo seus ninhos, para esse estágio de suas vidas.
    Muita sensibilidade!
    Um ótimo fim de semana.
    Saúde e paz.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  15. Lindo seu poetar sobre o tempo...bjs

    ResponderEliminar
  16. Olá, Ailime!
    Passei por aqui, relendo este lindo poema. E desejar um Feliz fim de semana!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  17. Uma reflexão boa encontrei no seu poema belíssimo. O tempo é um presente do Criador e cada um é responsável pelo uso. Há mistérios e fatos, como descreveu nos versos tão tocantes. Tudo vai acontecendo e precisamos não somente decifrar, mas desfrutar vivamente.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Oi amiga Ailime
    Li, reli e apaixonei-me por estes versos tão fabulosos
    Que poema maravilhoso
    Te aplaudindo de pé amiga
    Uma feliz semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Muito lindo, Ailime! E verdadeiro também: quantas vezes nos é difícil medir o tempo! Meu abraço, amiga; boa semana.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.