sábado, junho 08, 2024

Era pungente o seu viver



Era pungente o seu viver.

Penalizava-se por atos irrefletidos.

Chegava a cravar as unhas nas 

palmas das mãos

para se distrair desses atos

que ainda a combaliam.

Não dava mostras de remorsos,

mas fora dura consigo mesma

e não se perdoava

martirizando-se descalça

sobre espinhos que lhe feriam a alma.

O suor a escorrer sangue,

os lábios cerrados cobertos de sal,

não lhe davam a paz

que o seu coração ansiava.

Na correnteza do rio

muitas lágrimas caídas

misturavam-se com os peixes.

Ainda hoje se julga amarrada

à pedra onde esculpia a sua dor.

Texto
(Ensaio sobre ficção)
Emília Simões
08.06.2024
Imagem Google

11 comentários:

  1. Boa tardinha de sábado, querida amiga Ailime!
    Para um ensaio... saiu um lindo poema.
    Fiquei detida no verso:
    "sobre espinhos que lhe feriam a alma."
    Tenha um junho abençoado!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Autoflagelação é terrível... 😏😘

    ResponderEliminar
  3. Simplesmente MARAVILHOSA poesia,Ailime! Uma belíssima ficção e inspiração! beijos, chica

    ResponderEliminar
  4. A autoflagelação é a mais terrível das torturas.
    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
  5. Sérgio6/09/2024

    Na maioria das vezes, o sentimento de culpa é imposto pela cultura/sociedade. Fazendo a pessoa acreditar que é culpada por algo que muitas vezes lhe foi imposto. Escolhas irrefletidas - lá está a sociedade a dizer o que é (segundo ela) certo ou errado. Se calhar, foi certo para a pessoa, mas errado aos olhos da sociedade. São sempre os julgamentos que fazemos dos nossos atos, ou de outros, que nos causam sofrimento. O ato em si não causa sofrimento. Mas o julgamento dele sim. E sem ver isso, há quem viva amarrado a culpas e vergonhas, espezinhado sobre o peso de não querer estar isolado da sociedade, e ao mesmo tempo julgado por ela. Conclusão: precisamos de cultura e regras; mas tb saber distinguir quando são essas regras que nos causam sofrimento, e não os atos em si.

    ResponderEliminar
  6. Precioso y triste poema. Te mando un beso.

    ResponderEliminar
  7. Olá amiga Ailime

    Poema forte e intenso, onde estão bem patentes as dores do sofrimento.

    Deixo os votos de uma ótima semana, com tudo de bom.
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com
    https://soltaastuaspalavras.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. "Ainda hoje se julga amarrada
    à pedra onde esculpia a sua dor."
    Belíssimo poema a expressar o sofrimento interior. com imagens magníficas.
    Um bom feriado minha Amiga Ailime.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Não podemos ser mais exigentes connosco do que com os outros.
    Gostei do poema, é magnífico.
    Boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Muito belo, Emília! Chega a ser pungente, a forma como poeticamente descreves essas pessoas, que não conseguem perdoar a si mesmas! Meu abraço, amiga; boa semana.

    ResponderEliminar
  11. Boa tarde Emília
    Um poema pesado e doloroso.
    Sei que há pessoas assim que acham que a autoflagelação é o caminho para o perdão.
    E por vezes nem são culpadas de nada.
    Um poema em forma de ensaio conseguido.
    Boa semana com saude e paz.
    Um beijo
    :)

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.