sábado, julho 02, 2022

Na solidão do vento

Erick Alves

Na solidão do vento encontro-me com o amanhã.

Os meus braços abrem-se como ramos de árvores

a baloiçarem-se num ritmo frenético

como se o outono surgisse no meio das folhas

que vão caindo amarelando o chão.


Nos muros já não brilham as glórias da manhã

que, ressequidas, apenas das hastes a lembrança

dos eflúvios que  aromatizavam  o meu ser

que agora preenchem um pacto de silêncio.


Não distingo nas sombras do vento

a claridade dos dias e os sons do alvorecer.

Apenas um pássaro veloz, indiferente à minha sede,

traça no céu as cores da primavera.


Texto
Ailime
01.07.2022

21 comentários:

  1. Belíssima inspiração,Ailime! Quando o livro chega? beijos, ótimo fds! chica

    ResponderEliminar
  2. Poema deslumbrante que me fascinou ler.
    .
    Um feliz fim de semana.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  3. Boa tardinha de sábado, querida amiga Ailime!
    Na solidão do vento as cores são ofuscadas e podemos sentir vários estados de espírito.
    O vento indiferente aos nossos sentidos faz reviravoltas em nosso ser no seu silêncio ruidoso.
    Muito bonito e que, em 2022, venha o livro por nós tão esperado!
    Tenha um final de semana abençoado!
    Beijinhos com carinho fraterno
    😘🕊️💙💐

    ResponderEliminar
  4. Mais um belíssimo poema, Ailime.
    Quando puder passe por aqui http://amulhereapoesia.blogspot.com/2022/06/ailime-rasga-me-no-peito-dor.html
    Abraço, saúde e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Anónimo7/02/2022

    Ah! Dos melhores poemas que já escreveste. Apesar de entender essa solidão, quando olhas o mundo em redor, passado e futuro, lembra-te que é também nossa a escolha entre nos sentirmos sós e estarmos sós. Muitos mascaram a solidão com aquilo que o mundo lhes oferece. Pensos rápidos. Outros mergulham nela e tentam entendê-la, talvez escrevendo sobre e com ela. Talvez o vento seja a voz da solidão, talvez o passado o pai dela, e o futuro o filho dela. Talvez a solidão seja isso, a nossa alma navegando os anos, a nossa consciência vivendo todas essas fases da vida: o passado, o presente e o futuro. Eu acho que este poema está tão bem escrito que merecia ser publicado num LIVRO!!! Beijinhos, Sérgio

    ResponderEliminar
  6. Boa noite Ailime,
    Belíssimo poema aqui nos presenteia, onde os ventos sopram desordenados, em várias direções, e ao mesmo tempo, juntam em nós, todas as emoções.

    Gostei muito.

    Votos de um excelente fim de semana!
    Beijinhos.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. A solidão pode ressequir-nos por dentro.
    Aceitá-la e conviver com ela é muito difícil
    mas também poderá ser a escapatória
    de que precisamos.
    Este seu poema aborda um grande mal
    de todos os tempos. E falar sobre ele
    nunca é demais.
    Bom domingo, minha amiga.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  8. Um pacto com o silêncio onde um pássaro veloz, indiferente à tua sede, traça no céu as cores da primavera e descansa nos teus braços abertos como ramos de árvores. Tão belo, minha querida Amiga Ailime!
    Tudo de bom para ti.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. gosto do seu tipo de poesia - de um lirismo encantador

    beijo

    ResponderEliminar
  10. Um poema muito belo, Ailime! O vento sempre traz mudanças e elas podem aquecer o coração. Bjs.

    ResponderEliminar
  11. Um belo poema com cores outonais, com sons de folhas caindo sobre os rastros de uma certa solidão.
    Aplausos Ailime, belo canto.
    Beijo e paz e feliz semana.

    ResponderEliminar
  12. Muito belo, Ailime.
    Despedindo-me, deixo um grande abraço.
    ~~~~~~

    ResponderEliminar
  13. Linda a tela e belo o poema...😘

    ResponderEliminar
  14. Muito belo, Ailime! e traz uma grande verdade: não importa quando chega o nosso outono, um pássaro veloz sempre traçará no céu as cores da primavera! Meu abraço, amiga; boa semana.

    ResponderEliminar
  15. Olá Ailime,
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito gostei, e desejar uma excelente semana, com muita saúde.
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Boa Tarde Ailime
    Uma poesia bela e refrescante, que nos deixa serenos.
    A foto em sintonia.
    Uma belissima postagem.
    Desejo uma boa semana .
    Um beijo
    ;)

    ResponderEliminar
  17. Muito lindo, Ailime, solidão é um tema que
    quanto mais lemos, mais queremos ler.
    E que poema lindo, amiga!!
    Aplausos daqui pra você!

    ResponderEliminar
  18. A chegada do outono pode ser acompanhada da solidão... e nem o vento ajuda...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Bom fim de semana, amiga Ailime.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  19. Aplausos! Seus poemas sempre profundos e "onde tem pássaros" há esperança e liberdade... A conclusão com "cores da Primavera" intensificou os versos com muita VIDA!
    Beijinhos

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.