domingo, maio 03, 2009

Para minha mãe

Com um beijinho para minha Mãe, para todas as Mães, para todas as Mulheres.

Mãe, que ainda menina
geraste no ventre o silêncio
do teu amor, encantado.

Mãe, que enfrentaste o mundo
mostrando a evidência
do que antes era pecado.

Mãe, benevolente que foste
calando o sofrimento
que te consumia de dor.

Mãe, que atravessaste o tempo
transportando no regaço
o preço da tua inocência.

Mãe, que foste e ainda és
uma mulher de coragem,
tolerante para com a vida.

Mãe, hoje, quero dizer-te obrigada,
quero dizer-te com carinho,
que sou um ser feliz,
porque não desististe de mim.

Ailime, em 02.05.2009
23h29m

5 comentários:

  1. Querida e Doce Ailime, é com muito gosto que venho visitar este seu novo cantinho e ser sua seguidora.
    Parabéns neste dia especial dedicado a quem recebeu a maravilhosa dádiva da maternidade!
    Desejo-lhe um dia muito feliz junto dos seus tesouros.
    Belíssimo poema dedicado à sua Mãe!
    Obrigada pelas maravilhosas palavras deixadas no meu cantinho e que sempre me dão uma enorme alegria.
    Beijinhos carinhosos e abraço meiguinho.

    ResponderEliminar
  2. Muito lindo este teu hino de amor à tua mami,
    beijinhos para ti e todas as mães

    ResponderEliminar
  3. lindo blog.
    Parabens pelo poema, beijos pra vc.
    Maurizio

    ResponderEliminar
  4. _____________________________________________


    ...lindo, mágico!

    Que bonita homenagem à sua mãe, Ailime...


    Beijos de luz e o meu carinho!!!

    ______________________________________________

    ResponderEliminar
  5. A maresia adormeceu na areia
    O mar transformou-se em espelho de água
    Uma nuvem mirou-se nele
    Verteu uma última gota de mágoa

    Este sol que beija a ilha na manhã
    Trás um sorriso cheio de mistério
    Este verde orvalhado pela bruma da noite
    É o tapete de um Deus no seu império


    Convido-te a veres o teu mais profundo no “Espelho Mágico”


    Doce beijo

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.