domingo, novembro 10, 2019

A porta





Pé ante pé aproximei-me e estendi o olhar
a procurar-te como se ainda ali estivesses.
Acho que me enganei na porta

A casa estava em escombros, as paredes nuas
faltou-me o chão quando transpus a soleira.
Olhei de través as paredes outrora brancas
e não te vi

Tudo está escuro, em silêncio;
apenas escuto o dlim dlão do velho relógio
que parece resistir ao tempo.
O tempo que era liso e claro
e hoje apenas crépido e solitário

Há degraus que apenas se sobem uma vez na vida
para se perderem, num ápice, no abismo das horas



Texto e foto
Ailime
10.11.2019

quarta-feira, novembro 06, 2019

As rosas (Poema de Sophia)

Hoje Sophia de Mello Breyner Adresen completaria 100 anos. 

A minha humilde homenagem


Resultado de imagem para sophia de mello breyner


As Rosas


Quando à noite desfolho e trinco as rosas
É como se prendesse entre os meus dentes
Todo o luar das noites transparentes,
Todo o fulgor das tardes luminosas,
O vento bailador das Primaveras,
A doçura amarga dos poentes,
E a exaltação de todas as esperas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

terça-feira, outubro 29, 2019

A claridade dos dias


Nas horas baças em que o vácuo me cinge os sentidos
procuro-te como se ainda não tivesses aqui estado,
como se uma névoa nos interditasse os olhares
que povoam os nossos sentires corroídos pela ilusão
de quem ainda procura no horizonte um sinal de porvir.

Se nas sombras do outono, as folhas tombam frágeis 
e amarelecidas, para ressurgirem plenas de viço na primavera
também na escureza do inverno irromperá a claridade dos dias.




Texto
Ailime
29.10.2019
Imagem
Google

quarta-feira, outubro 16, 2019

No silêncio do outono


No silêncio do outono emergem sentidos
como se a minha voz se calasse
por imposição das sombras
O vento arrasta as folhas
que gravitam como sóis
em rotações desgovernadas
no asfalto dos dias,
que esculpe nas horas
vestígios do entardecer.

Texto e foto
Ailime
16.10.2019

terça-feira, outubro 01, 2019

Na sombra da folha




Na sombra da folha que esmaece no chão
o outono esconde-se envergonhado
Não fora a luz que resiste ao sol-pôr
adormeceria no silêncio da noite
como que a retardar o momento
da colisão com as estrelas.


Texto e foto
 Ailime
01.10.2019

quarta-feira, setembro 18, 2019

Nos olhos da noite também há luz.



Nos olhos da noite
sentia o silêncio mudo
que te escavava no rosto
a angústia, que te dilacerava
no peito a ausência da luz.

Dias tortuosos, sombras
que te trespassavam o olhar
pálido como paredes brancas
onde o luar se queda
em noite de quarto crescente.

Mas nem sempre o inverno
obscurece os mares que navegas.
Timidamente uma vigia abriu-se
e de rompante dissiparam-se as trevas.
A luz reacendeu-te no olhar, a vida
que na praia te aguardava a sorrir.

É que nos olhos da noite também há luz.



Texto e foto
Ailime
13.09.2016
(Reedição revista)

quinta-feira, setembro 05, 2019

Nas asas do silêncio



Nas asas do silêncio,
na meditação,
com que sulcas os teus passos
tão leves como asas de borboletas
pé ante pé
elevas-te
com simplicidade e humildade
aos olhos de Deus.


Texto
Ailime
A Tolentino de Mendonça
05.09.2019
Imagem Google


segunda-feira, agosto 26, 2019

Não posso calar mais a voz

Correspondendo ao desafio proposto por Marta Vinhais no seu Blogue Com Amor, aceitei sendo que as condições são as seguintes:

«REGRAS:
1 - Poema ou prosa
2 - A ser publicado no vosso blog
3 - Tema a vosso gosto
4 - Obrigatoriamente terá que ter uma destas palavras: lenda, brisa e voz»

Escolhi a palavra voz


Não posso calar mais a voz
que sucumbe lentamente
como se o outono me emudecesse
a alma, que almeja por liberdade

Ecos longínquos assolam-me
como ventos em desalinho
soltos pelas amarras
das tempestades no mar

Pássaros esvoaçam em alvoroço
réstias de luz relampejam nos barcos
o meu olhar detém-se no leme

Na vastidão do horizonte
a minha voz solta-se
no abrigo do silêncio.



Texto
Ailime
26.08.2019
Imagem Google

quarta-feira, agosto 14, 2019

Retenho as palavras


Retenho as palavras com o olhar
e desfio-as como finos fios de seda
a resvalar dos casulos
protegidos pelas teias
do orvalho da noite.
Resguardo-as em silêncio
como se não me pertencessem.
Não quero que os rumores sombrios
as maculem na transparência da luz.

 2016-10-01
 Ailime
Imagem Google
(Redição)

sexta-feira, agosto 02, 2019

Meninas de minha mãe




Sabiam a amoras silvestres os nossos lábios
sempre que pela frescura das manhãs
descíamos saltitando de mãos dadas
por caminhos debruados de flores e rio.

Uma rã coaxava…
Um sapo de olhos grandes e salientes
vinha em nossa direção
Que horror! E eu inerte caía no chão.

Pardais, vespas e besouros
em estranha sinfonia
esvoaçavam atrevidos
cativando a nossa alegria.

..............................................

Longínquos esses caminhos
bordados de sol e inocência
de flores e muitas fragrâncias
tesouros que guardo em silêncio.


Texto
Ailime
02.08.2019
(Imagem
Pinterest)