quarta-feira, setembro 24, 2014

Há um rio




Há um rio que me percorre as entranhas
Nas margens azuis dos sonhos
Esquecidos nas proas dos barcos
Atracados em cais abandonados.

Há um rio que me crava no peito
A dor da saudade,
Como labareda que arde e fere.

Há um rio que me afaga a alma,
Me abraça no tempo e desperta.

Há um rio impregnado de luz
Que sempre me orgulha e espanta!

Há um rio banhado de nuvens
Que invoco e abrigo no coração.


Texto e foto
Ailime
24.09.2014

15 comentários:

  1. Poema lindo demais, Ailime, vindo do mais fundo da alma!
    Fez-me lembrar do versículo: Salmos 46.4!!!
    Beijinhos...

    ResponderEliminar
  2. Os sentidos e os sentimentos, quanto intensos, são verdadeiros tios do sentir.
    Excelente poema, gostei muito.
    Tem um bom resto de semana, querida amiga Ailime.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo9/27/2014

      tios?

      Eliminar
    2. Habitualmente não respondo a quem se esconde no anonimato, mas claro que o poeta Nilson terá querido dizer rios e não tios! Parecerá lógico!
      Com o meu respeito por todos os que por aqui passam e me acompanham e o fazem com enorme generosidade!
      Ailime

      Eliminar
    3. Claro que era "rios" o que eu queria dizer.
      Obrigado pelo reparo que fizeste ao comentário do anónimo. Com o qual eu não fiquei ofendido.
      Bom, mas eu vim aqui à espera de encontrar outros tios, perdão, rios...
      Um beijo, querida amiga Ailime.

      Eliminar
  3. Intenso e profundo como o são todos os seus belíssimos poemas.
    Beijos no coração

    ResponderEliminar
  4. Maravilha de poesia,Ailime! Viu só como não estavas "trancada"? Lindo, adorei! bjs, chica

    ResponderEliminar
  5. Ailime tu sabes que sempre gostei de suas poesias, desde quando a conheci e já faz uns bons aninhos! Este do rio está soberbo! Muito lindo! E que rio é esse que todos temos na vida, não? Grande abraço e beijos!

    ResponderEliminar
  6. Há rios assim

    que se não conformam com as margens

    ResponderEliminar
  7. Belíssimo poema. Ah! Esses rios onde desaguam nossos sonhos ...
    Ailime quero agradece sua presença lá no Expresso, peço perdão pela minha ausência, andei muito ocupada, também tive que fazer outros óculos. Fiquei muito feliz com suas palavras . Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  8. Olá, querida Ailime
    Suspirei quando ia lendo... muito cheio de sentimento e belo!!!
    Recolher da nuvem o que precisa é de sonhadora nata...
    Bjm florido e fraterno

    ResponderEliminar
  9. Um rio pode ser o lugar que agasalha o grito... Muito belo.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. O rio é sempre muito mais familiar do que o mar, mesmo que a ele desague...

    um beijinho amigo

    ResponderEliminar
  11. Assim é, Ailime! E este rio que nos percorre, amiga, é o mesmo em cujas águas navega o nosso verdadeiro Eu. Belo texto, boa semana!

    ResponderEliminar
  12. Muito belo este rio...
    Um beijo, Ailime.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.