quinta-feira, julho 06, 2017

No silêncio da manhã

Leonid Afremov

No silêncio da manhã
o cair da chuva
atenua os raios do sol
que timidamente persistem em luzir
para perfumar o dia
com as cores da alvorada.
No horizonte
um arco-íris pinta no firmamento
a alegoria do silêncio
a venerar a manhã.


Texto e foto
Ailime
06.07.2017

13 comentários:

  1. Canto lindo estou lendo neste início de manhã na minha casa...
    O arco-íris sempre traz deslumbramento ao meu coração ao olhá-lo...
    Abraço e carinho

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito. A propósito há coisa de meia hora atrás aqui chovia a bom chover.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Lindo poema! Adorei!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. O poema tem a beleza do colorido dessa tela! Bj

    ResponderEliminar
  5. Muito lindo,Ailime! Bjs praianos,chica

    ResponderEliminar
  6. Se quisermos ver o arco-íris, não podemos ter medo da chuva...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Querida Ailime, nas suas palavras uma manhã de chuva transfigura-se em beleza pura.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Ola Ailime, Que linda imagem enfeitando o céu. Adorei o poemeto em plena harmonia com a ingaem.
    bjss!

    ResponderEliminar
  9. Ola Ailime, Que linda imagem enfeitando o céu. Adorei o poemeto em plena harmonia com a imagem
    bjss!

    ResponderEliminar
  10. O arco-íris como alegoria do silêncio. Tão próximo das tuas palavras, minha querida Ailime...
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
  11. Perfeito, Ailime! Um canto de amor à Natureza e à Vida, minha amiga; obrigado! Boa semana.

    ResponderEliminar
  12. gotas de chuva no deslumbre da natureza, bjs

    ResponderEliminar
  13. Encantada com esse canto que transmite amor, paz e ternura para quem o ler, beijos!

    http://meusertaopoetico.blogspot.com.br

    http://sounaturezaesertao.blogspot.com.br

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.