quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Em silêncio


Em silêncio os pássaros
rasgam o vento
sobrevoando
mares encapotados
por neblinas à deriva,
como barcos a sucumbir
nos areais gélidos
de praias imaginárias
dispersas pelos sonhos
inacabados
dos náufragos.

Em veloz apatia
cardumes flutuam
como foguetes
a cintilar nas águas
as faíscas dos relâmpagos.

(Reposição)
Imagem Google
16.02.2017

13 comentários:

  1. Um canto profundo como o voar dos pássaros... O silêncio muitas vezes é reluzente como o dourado da imagem deste post...
    Um abraço muito carinhoso...

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso poema. Amei

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Os sonhos inacabados dos náufragos ajustam-se ao silêncio dos pássaros para deixar passar este poema tão ansioso de praias imaginárias...
    Muito belo, minha amiga Ailime!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. A natureza e o homem no seu esplendor poético! Bj

    ResponderEliminar
  5. Boa Tardinha, querida amiga Ailime!
    A aparente apatia do pescado fez-me recordar a solidão povoada de S. João da Cruz...
    Muto lindo sue poema!
    Bjm fraterno

    ResponderEliminar
  6. Um canto em silêncio e onde a inspiração aflorou mais ainda.Perfeito! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  7. Boa noite querida Ailime.
    Em silencio admiro o seu poema, o silencio é algo necessario para nós recuperamos das batalhas da vida. Um lindo fds. Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Que profundo poema Ailime!
    Um silêncio absoluto para apreciarmos essas palavras tão lindas.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  9. Há pássaros que não mentem
    Bj

    ResponderEliminar
  10. Lindo, Ailime! Não sei bem se foi o que quisestes passar, amiga, mas o poema me trouxe a impressão de um raio de esperança que começa a espantar a escuridão do desânimo. Muito lindo! Boa semana, obrigado.

    ResponderEliminar
  11. Olá, an«miga, como tem passado?
    O que nos traz hoje, tem um cheirinho a surrealismo.
    Gostei da imagem escolhida e do poema!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  12. Oi Ailime, ando um pouco distante, sem tempo, já estava com saudade daqui.
    Li e reli sua composição e quanto me vi nesse barco com meus sonhos naufragados, tantos sonhos que deixei de realizar, talvez pelo cansaço de esperar. Mas continuO a sonhar e outros horizontes cultivar. Um grande abraço. LINDO!!!

    ResponderEliminar
  13. Enquanto aves cortam a neblina cheios de energia, nas águas navegam peixes apáticos. Uma antítese bela, Ailime
    Beijinho

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.