sábado, fevereiro 14, 2015

Na vertigem da nuvem

Sinto-te como se uma névoa
me desenhasse no corpo
a chama que crepita na alma
o tempo que demora
na vertigem da nuvem
que um dia originou
a fonte trazida do deserto
onde o oásis eras tu.
………………………………
As dunas ainda hoje
dançam ao som do vento
a música da chuva.

14.02.2014
Ailime
Imagem Google

12 comentários:

  1. Que lindo, Ailime!
    Um oásis perdido algures no deserto, mas para sempre presente na música da chuva.
    xx

    ResponderEliminar
  2. Sensacional,.Ailime! Tu és sempre muito bem inspirada! Perfeita! bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. PROFUNDO! Palavras que vêm de um coração poeta... Oásis e chuva e o verbo dançar me chamaram bastante atenção...

    Um abraço. Gostei muito dos seus comentários em "Interrogações" e "Fim de Dia"! Obrigada, amiga Ailime...

    ResponderEliminar
  4. Que foto tão bem conseguida! Excpecional... como EXCEPCIONAL está este poema... para juntar à galeria dos "premiados" :)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Ouço o som do vento e a música da chuva neste teu belo poema. Vêm do deserto ou do oásis?
    Um beijo, Amiga.

    ResponderEliminar
  6. Belíssimo, Ailime! Cada vez aprecio mais a tua bela poesia, minha amiga! Boa semana.

    ResponderEliminar
  7. Um oásis onde pousa o olhar de quem ama e traz ainda esse amor na alma como chama que não se apaga com chuva ou vento.
    Simplesmente lindo e perfeito poema.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  8. Olá meus amigos.

    Parabéns pelo belo trabalho neste seu site.
    Já tornei-me vosso seguidor. Aproveitamos a oportunidade
    Para compartilhar também com vocês o nosso blog.
    Ficaremos felizes por vossa visita e mais ainda se seguir-nos.

    Atenciosamente

    Josiel Dias
    http://josiel-dias.blogspot.com
    Rio de Janeiro
    Brazil

    ResponderEliminar
  9. Há vertigens bem agradáveis...
    Gostei muito do teu poema, é magnífico.
    Tem um bom fim de semana, querida amiga Ailime.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Poetando sempre com rica inspiração, amiga querida! Deus lhe abençoe! Beijocas!

    ResponderEliminar
  11. Quanta beleza nesse poema Ailime!
    Chuva, musica, tudo é ´perfeito.
    Um abraço!
    Ótima semana!

    Tou com saudades, andas sumida!
    Blog da Smareis- É só clicar aqui!

    ResponderEliminar
  12. Boa semana, amiga; aguardo o próximo post!

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.