sexta-feira, junho 07, 2013

O chão desaba

renschmensch Jörg 
O chão desaba
No asfalto do porvir
Que se fecha
E devora a esperança

Mas não vou deixar
Que os lobos uivem
E te aniquilem os sonhos
Numa descrença irreparável

A minha voz desatará os nós
Que te asfixiam a alma
E te limitam a esperança

A minha voz não se calará
Ainda que a garganta seque
Como um tronco de árvore oco.

Calcorrearei montanhas
Para te devolver o futuro,
Porque os lobos não me assustam.

Ailime
07.06.2013
Imagem Google


12 comentários:

  1. Muito lindo,Ailime e essa voz nunca deve calar. beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Olá amiga! poetisa e guerreira!
    Gostei imenso do poema. Estamos em tempo de luta,na verdade.
    Um grande abraço.
    M. Emília

    ResponderEliminar
  3. Manuel6/09/2013

    Que forma tranquila de denúncia! Obrigado e parabéns.

    ResponderEliminar
  4. Amiga, que poema mais profundo e encorajador. Adorei!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Olá!
    Esta é a página do Facebook do meu novo livro de poesia "Em Teus Olhos Seria Vida".
    Gostava de poder contar com o teu "gosto" na minha página.
    Obrigado!

    www.facebook.com/EmTeusOlhosSeriaVida

    ou em:

    poesiafaclube.com/store/josé-manuel-pereira-"em-teus-olhos-seria-vida"

    =)

    ResponderEliminar
  6. Os lobos não devem nos assustar, mas devemos avivar a esperança no nosso coração!
    Lindo e expressivo, Ailime! Nossa voz precisa falar, clamar e profetizar!

    Um beijo e um abraço grandes...
    Uma Boa Semana!!

    ResponderEliminar
  7. E, ainda que o chão desabe, o nosso verdadeiro Eu a ele sobrevive. Belo texto, Ailime; boa semana!

    ResponderEliminar
  8. "A minha voz desatará os nós
    Que te asfixiam a alma
    E te limitam a esperança"... como é que os lobos poderão fazer mal com uma voz assim?

    Parabéns pela grandeza de alma...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Olá minha querida Ailime,
    Lindo e profundo o seu poema!
    Que a chama da esperança permaneça sempre viva nos nossos corações!
    Desistir da luta, jamais!
    Um beijo com muito carinho.
    Luz e paz!

    ResponderEliminar
  10. Os lobos só assustam os medrosos...
    Magnífico poema, gostei muito.
    Querida amiga, tem um bom resto de semana.
    Beuijo.

    ResponderEliminar
  11. Lindo!Maravilhoso.Forte mesmo! Nunca cale essa voz nem deixe que os seus poemas fiquem fechados dentro de si,deixe-os soltar.Porque há poesia dentro de si,na mais singela frase. Muitos beijinhos Ailime.Bom Santo António.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.