quarta-feira, novembro 21, 2012

É Outono avó



É Outono avó…
E as folhas continuam a cair.
O meu coração transborda de emoções
Nas memórias do nosso tempo.
O vento sopra e ouço ao longe
O eco da tua voz a chamar-me
Como se me quisesses dar colo outra vez.
- Sim avó, eu vou já.
Deixa-me brincar mais um pouco,
Deixa-me ficar contigo
À lareira onde o fogo crepita
A chama do teu amor.
Em Novembro, daqui a dias…. (foi hoje)
Deixaste-me num mar imenso
De onde ainda emergem
As gotículas que durante horas a fio
Teimavam em soltar-se desse mar.
Sim, eu sei que aquela estrela
Que observo em cada manhã
É a tua alma a brilhar, a sorrir
Para me dar alento, para me consolar.
Sim, avó, vou tentar que o mar não
Me alague de novo.
Vou estar aqui a recordar-te.
Sim, a recordar-te sempre,
Até que nos voltemos a encontrar.

Ailime
19.11.2010
(Reposição)


7 comentários:

  1. Muito lindo, Ailime!... Emocionei-me ao ler!!!
    Profundo e rico em mensagem...

    Um beijo

    * Amei o seu comentário ontem, obrigada, querida!

    ResponderEliminar
  2. Para mim, que fui criada pela minha avó e que ainda a tenho, com 93 anos, este poema comoveu-me demais... E nem quero pensar que um dia o mar inundará a minha alma...

    ResponderEliminar
  3. Oi Ailime! Que poema mais lindo e emocionante, lembrei-me de minhas avós que já não estão mais aqui...
    E lembrei-me também a maravilhosa avó que minha mãe foi para os meus filhos.Parece que escuto-as chamando pelas crianças!
    É impossível o mar não inundar a nossa alma!
    Obrigada querida amiga, por todos os comentários carinhosos no meu blog!
    Beijos,
    Mariangela

    ResponderEliminar
  4. Lindo e emocionante poema
    Ailime!
    Um grande abraço amiga e muita paz a voce.

    ResponderEliminar
  5. Magnífico poema, buena inspiración. Muy bonito.

    ResponderEliminar
  6. Amiga Ailime,ui,deixe-me respirar fundo após a leitura do seu poema,recordando a sua avó.Como tem sido complicado hoje o dia para mim,porque me lembrei tanto da minha,até angustiada acordei.
    Beijinhos grandes para si.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.