quarta-feira, outubro 24, 2012

Sinto-te na chuva




Neste mar que escorre
Por entre os meus dedos
Sinto-te na chuva
Que inunda
Os espaços sofridos
Da tua solidão.
E fixo o olhar
Nas árvores desnudas
Como corpos esguios
De braços erguidos
Ressequidos,
Famintos
Estendidos no chão,
À revelia
Da iniquidade
Cega
Que finge
Que não és.

Ailime
(Reposição)
13.02.2011
Imagem cedida pela Net


8 comentários:

  1. Bellísimo poema Ailime.
    Un beso

    ResponderEliminar
  2. Não gosto de analisar poemas alheios, pois cada autor é que sabe o sentido que lhes queria dar ao criá-los.
    Gosto apenas de os sentir. E este sente-se!

    ResponderEliminar
  3. Que linda inspiração, belíssimo!
    Beijos
    Mariangela

    ResponderEliminar
  4. Chuva que vem e alivia,,molha e toca a alma...lindos versos....beijos e uma bela noite pra ti amiga.

    ResponderEliminar
  5. Um belo final de semana pra ti minha amiga,,,paz carinho e muita poesia ....beijos e flores...

    ResponderEliminar
  6. Ailime, que belas gotas de versos que escorrem na sua poesia! Gostei imenso!

    ResponderEliminar
  7. Adporei te ler, como sempre! beijos,chica

    ResponderEliminar
  8. "Sinto-te na chuva
    Que inunda
    Os espaços sofridos
    Da tua solidão."


    Comovido, Ailime. Saio devagarinho sem fazer barulho...

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.