domingo, agosto 15, 2010

Da terra seca e árida


Da terra seca e árida
Onde outrora o trigo foi pão,
Há-de jorrar uma fonte
De águas cristalinas.
Sementes trazidas pelo vento
Irão morrer na terra
E novas flores de trigo
Virão adornar o meu chão.

Ailime
15.08.2010
Foto cedida gentilmente pela Net

9 comentários:

  1. Amiga,
    Que lindas palavras de fé e esperança, expressas num belo poema.
    Venho agradecer os seus sempre muito carinhosos desejos duma melhor continuação na caminhada para esta família.
    Desejamos uma excelente semana e a concretização de tudo de bom para vós.
    Fiquemos com ELE.
    Forte abraço
    Mer e família

    ResponderEliminar
  2. Alime amiga desculpa-me de so agora vir ao teu cantinho mas não era capaz de fazer de comentar fugia-me as letras no teu blogue hoje ja consegui.Gosto tanto de passar por aqui beijo grande

    ResponderEliminar
  3. Amiga Ailime,

    muito lindo...as vezes essa transformação de semente a fruto dói... rasga o nosso coração! mas depois quando crescemos descobrimos como essa alegria que é a verdadeira,

    beijinhos no coração,

    Gisele

    ResponderEliminar
  4. Ailime, a água é vida...
    mas também pode ser... morte!
    Todos os "elementos" são vida, mas também todos eles podem ser... morte!
    Até porque a própria morte pode continuar a vida!
    É tão estranho... não é?
    Boa semana

    ResponderEliminar
  5. que os homens possam perceber que é das sementes que germina a vida
    lindo
    Bj

    ResponderEliminar
  6. Ailime, que linda esta reflexão/poema. Confesso que fiquei meditando no lado tão controverso da renovação:da morte se faz vida que por sua vez há-de perecer também...é um ciclo que nunca pára, por isso a vida é bela.
    Beijinho grande, grande

    ResponderEliminar
  7. Que lindo poema
    Sobre sementes, vida água recomeço.
    Nada se perde tudo se transforma lá dizia...
    Beijinhos
    Utilia

    ResponderEliminar
  8. Oh, Deslumbrante e Maravilhosa Amiga:
    A terra é o núcleo da formação e sobrevivência divinal. Onde existe tudo que somos.
    Extraordinário. Sensível o poder Dele.
    Cativado pelo seu encanto e ternura num Ser Humano gigante e notável.
    Beijinhos amigos de respeito e admiração.
    Um Post Doce e Sublime numa dedicação a Maria.
    Já registei a sua beleza terna.
    Sempre a lê-la atentamente dado o brilhantismo que possui em si e no que é. EXCELENTE!

    pena

    MUITO OBRIGADO pela honra da sua preciosa amizade.
    Bem-Haja, pelo coração enorme que tudo entrega de forma fantástica.
    Adorei.
    Não sei mais que dizer, apenas um silêncio de veneração, acredite?

    ResponderEliminar
  9. A suavidade com que termina o poema depois de o beijar, deixou-me deliciado. tenho andado a perder este blogue. So tinha o outro adicionado.

    Um imenso beijo e parabens

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.