terça-feira, agosto 31, 2010

Cinzas...


Choro a terra queimada  do meu país

Onde repousam as cinzas das florestas

Devastadas pela iniquidade dos homens.

Num grito que me trespassa e consome

Por entre fumos e labaredas 

Pressinto o latejar da seiva
 
Como que a clamar piedade.


Ailime
31.08.2010

Imagem cedida gentilmente pela Net

7 comentários:

  1. Doce Ailime,
    No Retiro, já esteve dois dias e duas noites a arder...já lá passei umas férias, em que nos colocaram em todas as saídas fogo...estava eu, minha mãe e minha avó...encurraladas sem conseguirmos sair...até que chegaram meu marido, o meu filho e meu pai...que estavam ausentes e tinham levado a viatura (dantes não haviam telemóveis...) sei o que é passar por uma aflição tão grande...corri tanto e subi tanto mato, já de noite, a pedir socorro e nada...eram 49hectares de terreno...e palmilhei, nem sei como, de uma ponta à outra da quinta...e ninguém aparecia para nos socorrer. Só sentia os bichos a fugirem fazendo um barulho que não mais esquecerei. Mais tarde, quem colocou o fogo...Deus o tenha em descanso...comentou na barbearia o que tinha feito...mas foi anos mais tarde e nem haviam provas...O que valeu, foi realmente os "nossos homens da casa", aparecerem e arrancarem connosco dali...com o carro, por entre chamas...o que mais me preocupava não era a mim própria...porque eu sozinha saía de lá a pé, sem problemas de maior...o que me preocupou demais, foi a minha avó...coitadinha...que essa eu não conseguia levá-la a pé, até Óbidos.
    Estou muito triste com o que se passa em todo o mundo por causa da avidez do poder, do ter, do desrespeito pelo outro, pela natureza, por DEUS.
    Cada vez me convenço mais, que este estado de coisas, de mentalidades, não pode continuar e há-de levar uma grande volta...já que nós humanos não queremos enxergar o óbvio.
    Muito belo este poste.
    Na minha opinião, todos os suspeitos de fogo posto, deveriam ficar presos enquanto e pelo tempo necessário, até virem as chuvas.
    Forte abraço e bjs. sinceros
    Mer e família

    ResponderEliminar
  2. Não chore. Não que o motivo não valha a pena, mas porque as lágrimas dos justos não convertem ignóbeis bestas.

    Para mim ficarem presos até às próximas chuvas é pouco. A prisão deveria ser igual ao tempo de crescimento das árvores que assassinaram.

    André.

    ResponderEliminar
  3. Este luto pesado no nosso pais faz-me uma tristeza de morte.

    Que tristeza...dum quadro verde, passarmos a um quadro preto,estamos assim, com pessoas sem consciência...e como sensibilizar?
    Nem aquilo que é nosso presamos, a paisagem, o verde...
    È muito triste ver tudo a arder.
    Que Deus faça justiça.
    Utilia

    ResponderEliminar
  4. Todos nós choramos!...


    Saudações poéticas

    ResponderEliminar
  5. que triste é tudo o que se esta a passar e por culpa de mão humana
    Bj

    ResponderEliminar
  6. Oh, Estimada Amiga:
    É bem verdade, todo o nosso pais é cinzas e destruição pelas mãos dos homens insensatos, desumanos e cruéis que tudo destróiem à sua passagem.
    Um poema sublime do seu perfeito sentir.
    Fabuloso e oportuno.
    Parabéns. Consegue transmitir o que sente com beleza e pureza imensas.
    Beijinhos amigos.
    Com respeito.
    Sempre a admirá-la e ao que "confecciona" com dedicação e talento.

    pena

    Bem-Haja, notável amiga.
    Adorei.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.