domingo, novembro 01, 2009

Poema de Charles Chaplin (musicado-tema Luzes da Ribalta)

Hoje, no canto_meu partilho com todos vós, este poema em vídeo, do Grande Charles Chaplin, que recebi de uma amiga em formato pps. e que apreciei bastante.
Com todo o meu carinho,
Ailime

4 comentários:

  1. Nossa...ficou muito bom....já sou suspeito em falar sobre essa música que tanto gosto!

    Gostei muito...

    Abraço,

    Rafael

    ResponderEliminar
  2. Estupendo.
    Descobri as minhas faltas.
    Sinto que me amo muito e não me arrependo.Mas ainda me quero amar um pouco mais até ao infinito...

    Minha querida Ailime, espero que tudo esteja melhor ou mesmo os temores acabados.
    Estamos a trabalhar nesse sentido. Eu e o Céu e Deus todos estamos num trabalho árduo para que este Outono passe rápido. Numa coisa estamos a ter grande ajuda...é que os Céus estão lindíssimos, o Sol tem brilhado estão dias de autêntico Verão. No entanto tal como o "vídeo" por vezes temos de assumir o confronto, assim como temos de aceitar as chuvas que estão a fazer tanta falta.
    "O Senhor é o meu pastor e nada me faltará"
    Bjs. sinceros
    Mer

    ResponderEliminar
  3. Passe no meu canto. tenho lá umas coisas :)

    ResponderEliminar
  4. Frias pedras, negro basalto
    Sentinelas do receio à tempestade
    Testemunhas da viajem do tempo
    Cobertas de sal, guardiãs da verdade

    Mas, não há duas reais verdades
    Não há rios que correm para o alto
    Não há amor num coração que mente
    Não há ternura sem viver o momento


    Vem viver a minha cidade inventada


    Doce beijo

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.