terça-feira, agosto 31, 2021

É quase outono nas dunas



É quase outono nas dunas,

os oásis  têm sede  e as plantas mirram.


Nada é igual como dantes

quando os caminhos floriam de paz

nos teus pés descalços pelo vento

deambulando como plumas.


Ainda estamos a tempo

de colher flores amarelas

nos dias em que as névoas

orvalharem os desertos.


Texto
Ailime
31.08.2021
Imagem
Google

18 comentários:

  1. Amoooooo a forma que você escreve!!!
    Ailime que poema delicado, tão pleno de sensibilidades!!!
    E a imagem, um presente aos olhos, fez par perfeito com o seu poema!!!
    Beijinhos
    Valéria

    ResponderEliminar
  2. Um deambular pela vida, pelo tempo, pela idade. Caminhar pelas dunas e pelas estações da vida. As flores amarelas estão sempre lá, vivas nas nossas memórias. E podemos sempre colhê-las com a nossa imaginação. Gostei muito da parábola. Se não é parábola, eu li como tal. 😜 beijinhos do filho Sérgio

    ResponderEliminar
  3. Foto e poema, lindíssimos.
    .
    Cordiais cumprimentos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  4. Ainda estamos a tempo, sim, minha Amiga Ailime. Colheremos as flores amarelos e não deixaremos que o deserto nos sufoque de sede. Tão belo, este poema!
    Cuida-te bem.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Tão belo, amiga Ailime. Estamos ainda a tempo, mas não nos podemos demorar.

    Beijinhos e tudo de bom!

    ResponderEliminar
  6. Boa noite de paz, querida amiga Ailime!
    Tão lindas estrofes e fechou com chave de ouro.
    Sempre haverá novas amarelas orvalhadas em algum lugar do planeta.
    Foto bonita.
    No deserto, as flores são o oásis perfumado.
    Tenha dias abençoados!
    Beijinhos com carinho de gratidão

    ResponderEliminar
  7. Sem duvida, amiga Ailime. Aínda estamos a tempo, de colher os frutos de uma nova saga. E deixar para trás, os frutos apodrecdidos.
    Gostei muito!

    Continuação de ótima semana!
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Um poema maravilhoso. Sempre é tempo de colher flores com a imaginação, cliques ou versos.
    Beijão e feliz Setembro...

    ResponderEliminar
  9. Bela foto e bonito poema.
    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  10. Lindo olhar e bom momento poético!!! Bj

    ResponderEliminar
  11. Olá, Ailime!
    Passando por aqui, relendo este lindo poema, que muito apreciei, e desejar um feliz fim de semana, com muita saúde.
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  12. Poema e foto em harmonia perfeita.
    Excelente.
    Continuação de bom fim de semana.
    Beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  13. Linda foto. A imaginação tudo nos permite. bjs Bom final de semana

    ResponderEliminar
  14. Olá, Ailime.
    Passando por aqui, para desejar uma feliz semana com muita saúde.
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  15. Admirável, Ailime, a forma como os teus belos poemas nos fazem "entrar" nas imagens com que os ilustras. Muito belo, este! Meu abraço, amiga; boa semana.

    ResponderEliminar
  16. Estamos sempre a tempo... ai se a humanidade desejasse que os desertos florissem... falta vontade politica... quando há meios para tal... mas a paz, a abundância e a felicidade, continuam sem ser tão rentáveis quanto os mercados do medo e da fome, em determinados pontos do mundo... que costuma cobrar preços bem mais altos... a tudo e a nada...
    Uma imagem deslumbrante, muito bem complementada, com a força e brilho das suas palavras, Ailime!
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.