quarta-feira, dezembro 30, 2015

A lareira

Tão fresca era a terra
que te acolhia nas madrugadas,
sob  as oliveiras já corcundas
que te iluminavam o rosto
no suor dos dias passados,
o futuro das colheitas incertas.

Tão longínquo e breve foi o tempo
em que me davas as mãos e sorrias
mostrando-me a lua e as estrelas
e as flores do caminho orvalhadas
a sorrirem por entre uma nesga de sol.

Tão longínquo e breve  foi o tempo
dos musgos e das candeias acesas
sobre as paredes caiadas como neve
a faiscarem relâmpagos na noite.

Tão breve mas tão próximo o tempo
em que a lareira a crepitar
era o refúgio nos invernos glaciais
enquanto o vento assobiava lá fora
chispas de silêncios encapotados.

Texto
Ailime
Foto Google
30.12.2015

12 comentários:

  1. Sempre bom viajar nos seus apeadeiros

    Bj

    ResponderEliminar
  2. Um poema com enigmas profundos! Li e reli...
    Uma lareira que me deixou a refletir!
    Um novo ano vem aí para novos Cantos, Ailime... Mais e mais belas inspirações p você...
    Abraço meu

    ResponderEliminar
  3. Olá, querida amiga Ailime
    Um poema que mostra, nitidamente, como está o amor do amado: silencioso e 'encapotado'... só silencioso já é frio demais...
    Bjm natalino

    ResponderEliminar
  4. Lindo lindo!!

    Feliz ano de 2016, que todas as suas realizações se concretizem.
    beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Belo, nostálgico e intimista, Ailime. Belo post! Feliz Ano Novo, minha amiga; bom resto de semana.

    ResponderEliminar
  6. Ah, o tempo, caríssima!
    Okhe estou a ultimar um poema chamado Nu Tempo, de umas setenta páginas e... o tempo que tenho passado de roda do texto!
    Vinha expressamente para desejar a si as seus, um Excente Ano de 2016.
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  7. O tempo. O tempo que passamos a sulcar alegrias, com as mãos propícias a todas alegrias, a todas as mágoas. Com o coração disposto a todas as lembranças, a todas emoções...
    Um excelente poema, minha Amiga, Ailime. Que 2016 seja muito, muito bom.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. ~~~
    Tempo
    de sentir a luz e o calor
    duma lareira crepitante de outrora,
    de deixar voar o pensamento,
    recordando breves tempos melhores...

    Como fugaz é a vida...
    Como efémera é a felicidade!

    ~~ Belo e tocante poema! ~~
    ~~ Parabéns pelo talento. ~~

    ~~~~~ Abraço, Ailime.~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  9. Amiga...este tempo chuvoso...o calor da lareira e o poema com sabor a inverno...criou um belo momento!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
  10. Bom resto de semana, Ailime. Aguardo o próximo post!

    ResponderEliminar
  11. Muito belo o poema, sobre a brevidade do tempo
    na cadência das estações, o frio e humidade exteriores e o calor interior de uma lareira que aquece o corpo e alma.
    Sempre grande poesia por aqui, Ailime!
    xx

    ResponderEliminar
  12. A Verdade Em Poesia, está a tentar visitar a todos os seus seguidores,
    para deixar abraço amigo e agradecer por termos ficado juntos mais um ano,
    desejar também que este ano lhe traga muitas alegrias, e grandes vitórias.
    Atenciosamente. António.
    PS. tive de seguir outra vez porque estava sem foto, ou sem endereço.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.