quarta-feira, março 01, 2023

Um Mês Pelo Dia Mundial da Poesia - 1ª semana

 Muito honrada pelo convite da Amiga Rosélia no Blogue Escritos da Alma, para uma parceria poética para celebrar durante um mês o Dia Mundial da Poesia deixo a minha participação referente à primeira semana.



Passo à tua casa e não te enxergo.

Por dentro as paredes ainda têm alma,

mas a porta fechada,

esconde o sobrado abatido, 

esmagado pelo tempo.

As janelas irradiam luz,

onde o teu olhar perdura,

como se ainda estivesses ali.

O vento assoma

e liberta todas as sombras.

As raízes permanecem

nas memórias que evoco.


Texto

Ailime

22 comentários:

  1. As casas, quando abandonadas, também morrem.

    ResponderEliminar
  2. As casas só exalam vida quando nelas moram seres humanos que se desnudam em sentimentos e vivacidade
    Lindo poema Ailime
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. As paredes das casas têm alma porque estão presas pelas raízes da memória, como dizes neste teu poema tão belo, minha Amiga Ailime.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. A natureza não faz nada em vão.
    (Aristóteles)

    Querida amiga Ailime, que poema mais encantador e cheio de nostalgia bonita!
    O vento faz uma limpeza que seria impossível para o "sumiço" predominante que deixa a casa, embora num bucólico cenário, sem vida... sem cores. Só a alma da poeta pode dar a vida que o postal merece. Sabe ler o que vai dentro do painel, nas entranhas.
    Quando passo por certas casas, imagino como será lá dentro, com relação a quem lá habita e se reside alguém que dê cores lindas ao que se possa chamar de lar.
    Algumas raízes nos gritam atenção a todo instante, se prendem ao nosso coração...
    Amei tudo por aqui.
    Obrigada pelo seu carinho incentivador e pelo apoio nos projetos com tanto ânimo sempre.
    Beijinhos com carinho de gratidão e estima

    ResponderEliminar
  5. Querida Ailime que linda percepção ....Embora o vento afaste as sombras as raizes permanecem porquanto refletem memórias e saudade.Bjs com saudade.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo3/01/2023

    Que nunca falte a luz que passa pelas janelas! Linda poesia,Ailime! Bjs praianos CHICA

    ResponderEliminar
  7. Participação muito bonita que muito me encantou ler
    .
    Saudações cordiais e poéticas
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  8. Não adianta poeta é poeta e você é, sem sombra de dúvida! Eu amei ler e fico aqui rindo pensando no meu! Parabéns, sempre bênçãos a ti!

    ResponderEliminar
  9. A nostalgia do vazio absoluto... Triste. mas muito belo!
    Excelente participação, Ailime.
    De regresso, desejo-lhe um Março muito feliz. Beijinhos
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  10. Lindo , Ailime ! poema terno , romântico e ao mesmo tempo triste . Captaste bem a íntegra da imagem. Amei ler e parabenizo. Abraços .

    ResponderEliminar
  11. É bom ver uma casa habitada, de manhã com a chaminé a fumegar
    como antigamente e à noite com as janelas a enviarem a claridade
    em noites escuras.
    Adorei o seu poema, querida Ailime, tão condizente com a paisagem
    da imagem.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  12. As raízes, quase todas, vão ficando para sempre.
    Magnífico poema, gostei de ler.
    Continuação de boa semana, amiga Ailime.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  13. Quantas histórias as casas fechadas teriam para contar.
    Nostálgico e belo poema.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Sucesso para todos os Petas e Poetisas!
    .
    São estilhaços da vida que me fazem viver
    .
    Beijo, boa tarde!

    ResponderEliminar
  15. As pessoas podem já não estar presentes num certo lugar, mas há lá marcas da sua existência que perduram anos e anos a fio! Lindíssimo poema, Ailime!

    Cumprimentos,
    Cantinho dos Poemas de Criança 👦.

    ResponderEliminar
  16. Olá Ailime,
    Belo poema de homenagem à poesia, que muito gostei
    A poesia está sempre presente em nós, a cada dia que passa.
    Gostei muito.
    Votos de um excelente fim de semana!
    Beijinhos.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  17. Bonita participação, marcas que ficam e a memória recuperada em poesia. Bjsss

    ResponderEliminar
  18. A poesia que tudo versa, visita a casinha que abriga inspirações nessa bela participação.

    Um abraço. Tudo de bom.
    APON NA ARTE DA VIDA 💗 Textos para sentir e pensar & Nossos Vídeos no Youtube.

    ResponderEliminar
  19. Lembranças que esmagam sentimentos no vazio da vida. O tempo corrosivo que tudo leva e deixa na gente esta espaço desabitado, que tão bem seu poema desfila.
    Belo trabalho na linda iniciativa da Rosélia.
    Bjs e paz amigas

    ResponderEliminar
  20. Só as memórias permanecem incólumes à passagem do tempo...
    Mais uma participação notável, que fez uma leitura poética absolutamente impecável, da temática imagem...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.