terça-feira, fevereiro 06, 2018

Hoje apenas o vento

Pintura de Zoltan Szabo

Hoje apenas o vento
vertiginoso
te sussurra ao ouvido
no silêncio cortante do frio
a canção do inverno.
O ar gélido açoita-te
e de rompante rasga-te a pele
como se fora uma bússola
perdida em alto mar
a navegar nas marés
os barcos tombados
pelos glaciares.
A noite aproxima-se
na praia invisível
o teu corpo gelado.


Texto
Ailime
06.02.2018
Imagem Google

14 comentários:

  1. A canção do invernos sussurrada aos ouvidos. Ficou linda tua poesia e a tela bem legal1 bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. A pintura é linda e o poema condizente na beleza! bj

    ResponderEliminar
  3. Excelente foto para tão belas palavras! Amei

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Ola, querida poetisa sublime!
    Seus poemas são de uma grandeza espiritual gigante...
    Enternecem a alma de qualquer descrente ...
    Seja muito feliz e abençoada
    Bjm de paz e bem

    ResponderEliminar
  5. Uma canção de inverno. Uma bússola perdida. Os barcos tombados na maré. Um corpo gelado na noite. Toda uma imagética deste poema a convocar a melancolia dos que conhecem todo o frio do coração...
    Belíssimo poema. Bonita imagem.
    Um beijo, minha Amiga Ailime.

    ResponderEliminar
  6. Um pouco triste,revelando o temeroso inverno.
    Bjs Ailime.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  7. Um excelente poema amiga.
    Parabéns
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. E a canção do inverno parece que veio para ficar...
    Parabéns pelo poema, é magnífico.
    Continuação de boa semana, amiga Ailime.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Um poema que fala da melancolia invernosa... Creio que seja um frio imenso e que causa grandes introspecções, o que descreve nesses versos... A alma sempre acompanha o ritmo dos climas, estações.
    Beijinhos e parabéns pela profundidade nas palavras.

    ResponderEliminar
  10. Muitas e solitárias, Ailime, são as ocasiões em que apenas esse vento gélido e cortante nos acompanha... mas o sol volta sempre, felizmente! Belo post, minha amiga; boa semana!

    ResponderEliminar
  11. Um lindo poema, apesar do tom melancólico é encantador. Seguindo amei mais esse seu blog querida! bjuss

    ResponderEliminar
  12. Belos versos expressando o frio cortante das noites de invernadas, o inverno traz mesmo melancolia.

    Bom domingo!

    Bjss!

    ResponderEliminar
  13. Não obstante as palavras lindas ,o inverno deverá retroceder para a primavera
    Abraço

    ResponderEliminar
  14. Boa semana, Ailime. Aguardo o próximo post, amiga.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.