segunda-feira, abril 28, 2014

Eu era rio e tua eras paz.


Eu era rio e tua eras paz.
Desenhava-te no horizonte
Em círculos azuis como asas
Que o vento apenas traz
Quando as linhas se tocam
Em forma de folhas novas.

Enleamo-nos nas horas
Que só o tempo pode entender
Quando a luz das manhãs
Se prende nas tardes do ocaso
Ali… Diante de nós.

Texto e foto
Ailime
28.04.2014

Ailime

13 comentários:

  1. Ali! Diante de nós... Quanta inspiração,Ailime! Lindo demais o poema e foto! beijos, que tua semana seja muito boa! chica

    ResponderEliminar
  2. Rio e paz e muita inspiração! Imagem que exala beleza e esperança nova...

    Beijos eabraços

    ResponderEliminar
  3. Nem tanto rio

    nem tanta paz

    Bj

    ResponderEliminar
  4. Só o amor enleia assim as horas.
    Belíssimo este rio, esta paz.

    Beijinhos, querida Ailime.

    ResponderEliminar
  5. pretty nice blog, following :)

    ResponderEliminar
  6. E tu sabes desenhar poemas magníficos como este.
    Gostei imenso.
    Um beijo, querida amiga Ailime.

    ResponderEliminar
  7. Isso sim é inspiração! Meu abraço!

    ResponderEliminar
  8. "Quando a luz das manhãs
    Se prende nas tardes do ocaso
    Ali… Diante de nós."

    É exactamente isso, Ailime!

    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  9. Um poema que nos faz desejar ter essa paz e esse rio, aqui, diante de nós...
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. O primeiro verso deste poema dá o tom, magnífico, a todas as palavras e que lhe sucedem.
    Gostei imenso, excelente.
    Tem um bom domingo e uma boa semana, querida amiga Ailime.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Maravilhoso Ailime,
    Um olhar cheio de paz, muito belo.
    A imagem é divina!
    Linda inspiração!

    Beijos e ótimo domingo!

    ResponderEliminar
  12. Lindo, Ailime! Como linda é a foto que escolheste. Obrigado pela paz que me transmitiu este post, amiga; boa semana!

    ResponderEliminar
  13. Belíssimo esse encontro. Poema e fotografia se completam
    bjs.

    ResponderEliminar

«Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar».C.L.