sexta-feira, março 24, 2017

Onde estão as flores...?

 

Onde estão as flores de mil e uma tonalidades
que plantavas no jardim e que cuidavas com tanto amor?

Onde estão as manhãs frescas e o sol cintilante
que nos davam os bons dias e acariciavam de mansinho
como a água leve e pura que caía da pequena fonte ali próximo
e nos mitigava a sede nos dias soalheiros de verão?

Onde está o rio azul de águas transparentes e líquidas
que nos refletia no rosto o verde azul das lezírias,
que se estendiam verdejantes a perder de vista no horizonte?

Hoje restam apenas flores murchas (só os lírios continuam viçosos),
a flutuar no rio contaminado pela ignomínia do Homem.
O sal dos que clamam por justiça escorre-lhes no rosto a revolta.




Texto 
Ailime
24.03.2017
Imagem Google


sábado, março 04, 2017

No entardecer de ti


No entardecer de ti,
ouve-se o silêncio
que te fala
como se uma brisa de vento
te sussurrasse
o tempo que te é interdito.
Sombras que como asas
esvoaçam em teu redor
um corrupio de palavras
antes ousadas e leves,
hoje como que esmagadas
sob o peso do indecifrável.
Os dias entoam serenatas
que os pássaros sobrevoam
ao cair do sol-posto.


Texto e foto
Ailime
04.03.2017