sábado, março 21, 2015


Quereria ser poeta
E entender a musicalidade
Das palavras interditas
Num livro por inventar

Quereria ser poeta
E projectar no horizonte
Asas flamejantes de pássaros
Abraçando o teu olhar

Quereria ser poeta
E sentir as sílabas soltas
Como as velas dum navio
Voejando em alto mar.

Quereria ser poeta
Para albergar no poema
Desnudado de preconceitos
A lucidez do amor.

21.03.2015
Ailime
Imagem Google

quinta-feira, março 19, 2015

O teu nome


Enquanto as horas vazias
Do dia por acontecer
Me recordam as sombras
Seminuas das marés
O sol alastra no horizonte
A seara ondulante e cálida
Onde outrora o entardecer
Vazava no chão ardente
O teu nome em sal esculpido
Como cinzas a germinar.


Texto e foto
Ailime
19.03.2015

sexta-feira, março 13, 2015

«Entre mim e o mar»


Entre mim e o mar
ainda me causa espanto a madrugada.
Sempre diferente. Sempre idêntica.
Tons de mel, de romã,
de diamante, de milho seco.
Sopro de sal, de sangue, de limos.
E, por detrás das dunas, 
a respiração dos amantes
sobressaltando as aves.

Poema de
Graça Pires
In Espaço livre com barcos

Imagem Google

sábado, março 07, 2015

Amanhecer tardio



Mar encrespado
velas tombadas
e o sorriso da lua
a sobrevoar as marés
e a devolver-lhe a esperança.
Dobrado o cabo das tormentas
na praia deserta as ondas entoam
o que resta do naufrágio.
………
Uma brisa suave acorda-a
e a seu lado uma flor esquecida
ilumina-lhe o rosto
num amanhecer tardio.

Texto 
Ailime
07.03.2015
Imagem Google

O meu abraço a todos os homens e mulheres que sabem amar.